Imagem enfeite de um clips

VIII Encontro Internacional de Tecnologia e Inovação para Pessoas com Deficiência


“Smart Cities – Cidades Inteligentes”


11 de novembro de 2016

Centro de Convenções Rebouças – São Paulo/SP


Com o aprimoramento cada vez mais rápido das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs), soluções inovadoras em diferentes áreas do ambiente urbano são criadas e aperfeiçoadas, com o potencial de modificar e otimizar as relações entre a comunidade e os serviços, públicos e privados, existentes na atualidade.


Gerenciamento integrado de sistemas de transporte e deslocamento urbano, controle e adequação de processos de distribuição e entrega de produtos, gestão eficiente de recursos energéticos e uso do solo, novas plataformas digitais para educação, são alguns exemplos dessa evolução tecnológica, que vem permeando um número exponencialmente maior de setores e serviços.


Nesse panorama, entendendo que tal evolução vem permitindo uma maior interatividade, aumentando o número de pessoas que podem ter contato e se beneficiar das tecnologias digitais em seu dia a dia, torna-se lógico pensar que a acessibilidade deva ser uma das diretrizes dessa evolução, permitindo que as pessoas com deficiência tenham equânime usufruto das soluções facilitadoras implementadas.


O conceito de Smart Cities (“Cidades Inteligentes”) surge neste contexto, levando a reflexão sobre a potencialidade dos recursos tecnológicos para aprimorar, facilitar e, principalmente, tornar mais acessíveis, os ambientes nas cidades.


Além disso, trata-se de um conceito que vai além do desenvolvimento tecnológico em si, objetivando um novo entendimento do ambiente urbano, mais prático, dinâmico e inclusivo em todas as suas ramificações sociais e econômicas, onde a interatividade, sem exceções, é a grande aliada da população, com ou sem deficiência.